Quarta-feira, 3 de Março de 2004

Quando orares dizei: Abba, PAI!

1. Jesus revela o seu segredo! Comunica aos seus discípulos o direito e o poder de chamar a Deus: “Abbá”: Pai, introduzindo-os na mesma relação que tinha com o Pai, tornando-os participantes desta comunhão única que Jesus mantinha com Deus. Jesus dá-nos o seu Pai, que agora é também Nosso Pai.

2. Tudo o que se passa na nossa vida: alegrias, tristezas, esperanças, dificuldades, êxitos, fracassos… interessa ao Pai. Nada passa indiferente ao Pai. Nenhuma palavra que dirigimos a Ele, pas-sa ao lado. Todas são escutadas e acolhidas com o máximo de atenção e amor. A nossa oração é selada e confirmada pelo amor infinito que o Pai tem pelo filho. A oração do Pai-Nosso é a nossa oração, oração dos filhos de Deus, que é a oração do Filho. Tem a marca do próprio Jesus, contém o dom total do Filho, que se entrega ao Pai, em total obediência. Esta oração sai directamente do nosso coração (alegre ou feliz, magoado ou ferido) para o coração de Deus que está diante de nós.
Que se faz presente em cada momento. Recusamos pois, a uma vida de orfandade
e de solidão, temos um Pai, nele colocamos toda a confiança. Pai Nosso, é uma oração
de confiança.

3. Iniciamos a oração com a invocação “Pai”. Tomo consciência que sou filho muito amado do Pai. «E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito que clama: «Abba, Pai» (Gal 4, 6). Quando recebemos este amor do Pai e do Filho, que é o Espírito Santo, recebemos a própria vida de Deus. Receber o Espírito de Deus, é receber a sua vida, tudo o que Ele é. Significa que Deus habita em mim! «Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espíri-to Santo àqueles eu lho pedem!» (Lc 11, 13).

4. Se Deus mora em mim, é para agir em mim, para alterar qualquer coisa em mim. A vida de Deus é activa, não estática. Possui um dinamismo de crescimento (como o fermento faz levedar a massa, ou como a semente que se torna numa grande àrvore). Quantos de nós não faz a experiência dos discípulos de Émaus que sentiam o coração a arder com a explicação que Jesus fazia da escritura? Se me sinto tocado pela palavra de Deus, se sinto paz e alegria em ser anunciador dessa palavra, é porque Deus está a trabalhar em mim. Mesmo quando sentimos que estamos longe de Deus, que não lhe damos o tempo necessário, que nos queixamos da sua ausência. Mesmo aí, Deus está trabalhar no nosso interior, moldando o nosso coração. Não desejarias a luz se já não a tivesses visto. Se agora experimentas Deus como distante, é porque sabes o que é a sua presença. A oração do Pai-Nosso converte-me!

5. Dizer a Deus “Pai” é reconhecer-se pobre, pequeno e dependente. É dizer com humildade que Deus pode reconhecer em nós o filho que Ele amou em Jesus Cristo. É dizer, em esperança que ele fará por cada um de nós: seus filhos, tudo o que fez pelo seu Filho. Isto responsabiliza-nos, e requer de nós fidelidade e escuta. Depois de orarmos o Pai-Nosso, só podemos ter uma atitude com aqueles que nos rodeiam: fraternidade. Ou seja, assumir-nos uns aos outros como irmãos! A oração do Pai-Nosso cria comunhão.
publicado por benedictus às 18:28
link do post | comentar | favorito
|

>Quem sou eu

>posts recentes

> Discurso de Bento XVI à O...

> Hino ao Espírito Santo: "...

> Porquê?

> Festa da Visitação da Vir...

> Permanecei firmes na fé: ...

> Bento XVI viagem a Poloni...

> Deus é Amor, permanecei n...

> Apresentação da primeira ...

> Hoje vimos maravilhas

> Vem Senhor!

>arquivos

> Abril 2008

> Junho 2006

> Maio 2006

> Janeiro 2006

> Dezembro 2005

> Novembro 2005

> Outubro 2005

> Junho 2005

> Maio 2005

> Abril 2005

> Março 2005

> Fevereiro 2005

> Janeiro 2005

> Outubro 2004

> Setembro 2004

> Maio 2004

> Março 2004

>tags

> todas as tags

>links

>as minhas fotos

>as minhas fotos

>subscrever feeds